“Não Faz Sentido – Por Trás da Câmera”, Felipe Neto

capa

NETO, Felipe – Não Faz Sentido – Por Trás da Câmera, Rio de Janeiro, Casa da Palavra, 2013

Sinopse: Criado por Felipe Neto em 2010 sem maiores pretensões, o Não Faz Sentido tornou-se um fenômeno da internet brasileira e o primeiro canal de vídeos em língua portuguesa a ultrapassar a marca de 1 milhão de inscritos.

Confundido muitas vezes com seu personagem reclamão, Felipe Neto expõe nesta obra sua outra face, sem óculos escuros, muito diferente da que se vê em seus vídeos mais famosos.

Do garoto que se levantou da falência para a exposição meteórica (que o acabou levando à depressão); dos bastidores envolvendo o vídeo contra a série Crepúsculo ao desentendimento com celebridades; acompanhamos, com muita sinceridade, uma história de sucesso por trás dos panos.

Você conhece o Não Faz Sentido. Agora vai conhecer a história, através de uma linguagem bem-humorada e sem nunca se levar muito a sério, pela lente de quem está por trás da câmera. E comprovar que, apesar do nome, este livro nos apresenta a história de um projeto cujo sucesso possuiu não apenas toda lógica, como também todos os motivos para se comunicar com uma geração altamente conectada, disposta a revolucionar a maneira como lidaremos com a produção e o conteúdo do entretenimento mundial.

Opinião: Na curiosidade de ler os tão famosos livros de youtubers não podia ficar de fora um dos poucos youtubers brasileiros que cheguei a “seguir” com “mais ou menos” regularidade. Tratou-se de uma leitura fácil e descontraída, fruto da forma informal da narrativa, próxima a uma conversa de café. Logo no início o autor afirma não se tratar de uma biografia, entendendo não ter feito ainda nada que valha uma biografia: com excepção da parte final, cumpre essa indicação, focando-se de facto mais na história do canal que na sua vida pessoal – ainda que os pareceres e visões sejam, inegável e indubitavelmente as de Felipe Neto, ou não fosse ele o autor.

Apresenta algumas falhas ao nível da estrutura. Além de dois capítulos que se pretendem interlúdios cómicos, mas que não só não o são como em nada acrescentam ao conjunto da obra, o início é caótico, disperso e sem foco: começa um assunto, interrompe para falar de outro, interrompe novamente para falar sobre outro… Escreve o que vem à cabeça conforme se lembra, o que não resulta bem. A mudança de registo encontra-se bem vincada quando Felipe começa realmente a narrar a história do canal. O caos narrativo cede lugar a uma linha cronológica, onde os acontecimentos mais marcantes da história (e formato) do canal são partilhados, junto com o processo de pensamentos e decisões que levaram aos ditos, os resultados que daí se obtiveram, e a atribuição de crédito de algumas das frases mais conhecidas dos vídeos, quando tal se justificou. No final de cada capítulo inclui-se o acesso aos vídeos mencionados no capítulo em questão, o que simultaneamente auxilia o leitor desconhecedor da temática, e aumenta as visualizações do canal.

Em relação às posições e opiniões expressas são várias aquelas com que discordo, inclusive algumas chego a considerar desrespeitosas (e desnecessárias) para com determinados grupos. Há, contudo, a noção de que o livro é de 2013. Acompanhando vez ou outra os vídeos de Felipe Neto é possível percepcionar uma mudança de mentalidade e atitude em mais do que uma questão, existindo a probabilidade de muito do aqui escrito serem opiniões datadas e já alteradas: o processo de crescimento é, afinal, contínuo.

Como já referido, na sua parte final a narrativa foge um pouco da história do Não Faz Sentido para entrar na do autor: mantendo-se, todavia, no âmbito do Youtube, através das campanhas publicitárias, passos empresariais e projectos como o Parafernalha. Acabou por se tornar a parte do livro que mais “novidades” me trouxe, visto que realmente não tinha noção do factor empresarial que actualmente se encontra nos canais de Youtube.

Não Faz Sentido é, portanto, uma leitura simples que, contrariamente a Muito Mais que 5inco Minutos, o único outro livro de youtuber que li até ao momento, parece dirigir-se a um público mais amplo do que aqueles que já são fãs do canal. Além de perceptível para o público em geral, desenvolve também mais do que se pode encontrar no Youtube, trazendo efectivamente material novo, ainda que balizado pela percepção do autor.