“Três dicas para prender o leitor já nas primeiras páginas do seu livro”, aula por André Vianco

andré

Na passada Segunda-feira, dia 15, o autor brasileiro André Vianco utilizou as graças da Internet para dar uma pequena aula em torno de três ferramentas (dicas, na verdade) úteis para conquistar e prender leitores à obra que nos interessa: a nossa. Apesar de na descrição do evento estar “para aplicar ao primeiro parágrafo”, a verdade é que todas as ferramentas que foram faladas são necessariamente construídas ao longo de toda a obra. E, para ser honesta, também me pareceram (e parecem) mais bom senso de escritor que outra coisa.

“Para quê escrever sobre isso, então?”

Por duas razões: tentar angariar views para o blog Apesar de eu ter achado que era senso comum, pude perceber pela caixa de comentários que outros não partilhavam a mesma opinião. Mas mais do que isso: porque Vianco é bom a explicar. Além de ter uma atitude descontraída que deixa os outros à vontade, Vianco consegue explicar o que deseja com clareza e de forma directa, indo ao ponto e ainda dando exemplos que ilustram bem aquilo que quer expressar.

A aula (sim, vou continuar a chamar-lhe assim) seguiu uma estrutura tripartida. Cada ferramenta teve um “bloco”, onde se incluiu a explicação da ferramenta em questão, a elucidação de perguntas colocadas pela assistência em relação ao que acabara de ser explicado, e um pequeno vídeo que ora mostrava resenhas de livros do autor, ora filmagens em eventos literários. Não faltaram promoções em torno dos livros/cursos ministrados pelo autor, mas temo que se tenham restringido àqueles que estavam a assistir no momento.

“Ok, ok, mas o que se falou, então?”

Não me irei alongar muito sobre o conteúdo. Primeiro, porque irei deixar o link da dita aula no final do texto para aqueles que se interessarem, segundo porque, nas sábias palavras de uma ex-professora minha da faculdade, “detesto apontamentos, vocês dizem-me que eu disse isto e aquilo e que está nos vossos apontamentos, quando eu não disse nada disso, e vocês só têm aí apontado aquilo que acharam que eu disse”. Ou seja, mesmo apontando tudo, há sempre a possibilidade (grande) de fazer asneira, não é?

Mas vamos lá arriscar só um bocadinho.

A primeira ferramenta falada foi a “A Promessa”. E eu imaginei logo uma história de terror envolvendo sacrifícios satânicos, mas é algo bem mais simples: ter consciência do género em que se está a escrever, e manter o clima do dito. Se o livro é terror, tem de manter o clima de terror. Lembrei-me de imediato de um livro que li há pouco mais de um ano cujo título, capa e sinopse gritavam “romance histórico”. Um livro que durante 90% da leitura foi romance histórico. E nos últimos 10% deu uma virada e subitamente eu tinha, sem aviso, ficção-científica nas mãos. Fiquei possessa. Não porque desgoste de ficção-científica per si, mas porque tinha começado aquele livro com a promessa de romance histórico, e essa promessa foi quebrada nas suas páginas finais. Se como leitora senti quão mau é quebrar a promessa, como escritora tenho de ter cuidado para não fazer o mesmo. Nas palavras de Vianco, há que “pagar o género”: fornecer ao leitor aquilo que ele espera ao pegar num livro de determinado género.

A segunda ferramenta foi chamada de “Grau de Aproximação”. Depreendi que seria, em suma, a rede de personagens, com os diferentes graus de relações, os diferentes objectivos que tanto podem torná-las aliadas como antagonistas, os diferentes pontos de vista. Não é algo que se deixa no cantinho, no background: a história pode ser construída usando e abusando desta rede, seja para plot twists, resoluções, conexão entre personagens, determinar as acções das personagens, etc, etc.

A terceira ferramenta, o “Ticking Clock”, é aquela de que menos falarei: por motivos de saúde, não pude prestar muita atenção. Depreendi, no entanto, do que fui ouvindo que é semelhante a uma consciencialização de que existe um limite de tempo para o protagonista ou para a história. Há um final countdown que pode muito bem ser figurativo (e muitas vezes é), em cujo final o protagonista ora será massacrado ora será coroado pelas consequências dos eventos. Seguindo esta lógica, julgo que se poderá dar como exemplo deste ticking clock a procura e destruição dos horcruxes na saga “Harry Potter”.

Como já disse acima, considerei as três ferramentas bastante ligadas ao bom senso. Apesar de não as nomear, já tinha retirado boa parte do que foi explicado da minha experiência enquanto leitora. Não deixo, contudo, de considerar a aula útil. Não apenas para consolidação de conhecimentos, e pelo facto de agora ter nomes a dar “aos bois”, como por ter, realmente, apreciado a forma como André Vianco conduziu as explicações.

Deixo, então, o link da aula aos interessados:

Advertisements

3 thoughts on ““Três dicas para prender o leitor já nas primeiras páginas do seu livro”, aula por André Vianco

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s