Fornada de Contos VIII [Fantasy&Co]

“O Vizinho do 4-B”, Ricardo Dias: Não propriamente um conto, mas uma peça de teatro, de fantasia cómica, centrada no diálogo entre duas coscuvilheiras. São figuras bem nossas conhecidas, acredito, e ver reproduzido o seu comportamento e comentários típicos num contexto mais sobrenatural – sem que elas próprias o saibam – tornou a peça numa bem sucedida comédia. Quanto ao “mistério” da identidade do vizinho contemplado, inicialmente deixou-me em dúvida, tendo chegado a colocar a hipótese de outras criaturas. O avançar do diálogo, no entanto, vai conferindo as pistas que o leitor necessita para tirar a conclusão acertada, a qual é confirmada no último acto.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/543491

“O Fugitivo,”, Pedro Pereira: Narrado na primeira pessoa, oferece uma perspectiva de ficção-científica à destruição de Sodoma. Os elementos bíblicos mais conhecidos encontram-se bem encaixados, e o enredo segue uma linha simples: um fugitivo a procurar escapar aos seus perseguidores. Não tem, no entanto, nenhum momento em que surpreenda, sendo também a forma narrativa algo desprovida de sentimentos.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/543490

“Génesis”, Pedro Pereira: Um conto de ficção-científica que é um detalhe de uma história maior. A narração é directa e concisa, apresentando algumas gralhas. Julguei Jado, o protagonista, invulgarmente inocente para uma pessoa com as vivências que ele tem, contudo, isso parece ter-se “resolvido” no final.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/550553

“O Lago”, Pedro Cipriano: Com a acção a arrastar-se no início e a apressar-se no final, a leitura tornou-se morosa. Nota-se o que o autor procurar abordar e explorar, no entanto, o desequilíbrio do pacing da acção, junto com a falta de empatia entre o leitor e a personagem, pouco fizeram para que apreciasse a leitura.

Escaparam, ainda, algumas gralhas.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/567733

“O Artefacto”, Pedro Pereira: Como já se tem tornado habitual ao autor, o enredo do conto é um detalhe numa história maior, facilmente notável não apenas pelos elementos em comum com contos anteriores, como também pelo final em aberto. Apesar de ser uma leitura rápida e chamativa para determinado público-alvo, julgo que falhou um pouco no desenvolvimento das personagens, as quais se aproximam do unidimensional. As reviravoltas do enredo são, na sua maioria, também deduzíveis, em particular por quem já tem uma boa bagagem dentro deste tipo de leituras.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/567731

“Na Noite em que o Inferno Subiu à Terra”, Ricardo Dias: No que se pressupõe ser um grupo de sobreviventes reunidos, o narrador conta aos ouvintes como foi a sua experiência quando pela primeira vez os demónios surgiram na Terra. Apesar de não haver quaisquer interrupções no texto, os comentários do narrador são eficientes a transmitir uma ideia de diálogo, o que leva a que não haja a sensação de monólogo.

Uma leitura interessante, com um formato informal e conteúdo pesado, cujo plot twist final é adivinhável pelo leitor antes de ser descoberto, mas não demasiado cedo.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/567729

“O Jardim do Éden”, Pedro Cipriano: Pode-se considerar este conto como uma recontagem, ou pelo menos um paralelismo, de Adão e Eva sob uma perspectiva da Ficção Científica. Levanta algumas questões, na medida em que aborda o receio do pecado, mas também a inocência de não saber o porquê de ser errado.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/587902

“O Muro”, Pedro Pereira: Um conto de Fantasia apocalíptica que realça as consequências que advêm de todas as escolhas. A opção de focar a narração num detalhe e numa personagem permitiu que os sentimentos da dita personagem fossem melhor desenvolvidos, aumentando, por consequência, a empatia entre protagonista e leitor. Em relação ao worldbuilding, é dado o suficiente para que seja compreendido.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/587908

“O Guia”, Pedro Cipriano: Desta leva foi a leitura que menos gostei. A narrativa arrasta-se e o enredo encontra-se mal desenvolvido. Apesar de o protagonista ter como função convencer os outros a segui-lo, e de haver indicações que o faz com frequência, a única coisa que o vemos a fazer são discursos, os quais não são eloquentes, esclarecedores, nem particularmente argumentativos.

Disponível em: https://www.smashwords.com/books/view/587862

“Livre”, Pedro Pereira: Mais um conto que faz ligação com o enredo e worldbuilding de contos anteriores. Desta vez, o foco é no rasto de destruição e no seu causador. Senti falta de um maior desenvolvimento das descrições, que se tornam o factor central neste tipo de narrativa.

Disponível em: https://fantasyandco.wordpress.com//?s=livre&search=Ir

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s