“A Queda dum Anjo”, Camilo Castelo Branco

capa

BRANCO, Camilo Castelo – A Queda dum Anjo, [s.l.], Projecto Adamastor, 2013

Sinopse: Calisto Elói é um erudito fidalgo transmontano, austero e conservador, ligado ao passado, às lições da História, às antigas noções de moralidade e bondade e mergulhado constantemente nos seus clássicos de História, Cultura, Música, Vinhos, Filosofia. Eleito deputado do Minho, Calisto é enviado para Lisboa como representante da região. Defensor acérrimo das suas convicções sobre a moral, a verdade e a justiça, a sua cruzada contra a depravação e a corrupção acaba esquecida, quando ele próprio se deixa corromper pelo luxo e pelo prazer que imperam na capital, tomando como amante uma prima afastada, Ifigénia, e transitando da oposição miguelista para o partido liberal no governo. Ironicamente, Teodora, esposa de Calisto, acaba por imitá-lo na devassidão: desprezada pelo marido, une-se a um primo interesseiro e sucumbe aos vícios da modernidade.

Opinião: Não chamaria Calisto de “anjo”. Desde o início que a sua personagem se assemelha mais ao tipo de beata que apregoa e exige a moralidade e “bom” comportamento dos demais, maldizendo-os, apenas porque não esteve ainda numa posição similar. E, de facto, quando a oportunidade lhe surge, cede à imoralidade como todos os outros. Mais do que a queda de um anjo, título irónico, é o percurso de um homem comum, que não foi capaz de agir como falava.

Camilo usa uma escrita rebuscada, aprazível durante grande parte da leitura, que se torna particularmente evidente durante os discursos políticos, tão cheios de arabescos que chega ao ponto de a já mencionada ironia sorrir e acenar ao leitor.

Este escárnio do que é tido como moralidade e de quem a apregoa sem a praticar é o ponto de união em toda a obra. Não está presente apenas na escrita, mas também no enredo e nas personagens. Ainda que diferentes entre si, na sua construção e reacções, não deixam de ter um ponto em comum: nenhuma delas é de confiar, e nenhuma se expressa com honestidade, qualquer que seja a sua intenção.

Uma crítica zombeteira que em nada se assemelhou ao primeiro romance que li do autor, Amor de Perdição.

O ebook pode ser obtido gratuitamente aqui.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s